O Jornal

Carnê de INSS: preenchimento errado pode comprometer a aposentadoria

Códigos de pagamento e contribuições influenciam na concessão e valores dos benefícios

Carnê de INSS: preenchimento errado  pode comprometer a aposentadoria

Assim como os empregados, que têm descontadas em suas folhas de pagamento as contribuições para a Previdência Social assegurando-lhes o direito a receber benefícios previdenciários, dentre eles a aposentadoria, os contribuintes individuais e facultativos, por sua vez, fazem suas contribuições através de carnês, popularmente chamadas as Guias da Previdência Social (GPS) e, desta forma, têm acesso aos mesmos benefícios. Contudo, contribuições e preenchimento equivocados, podem trazer prejuízos na aposentadoria.
Os contribuintes individuais (profissionais autônomos) são aqueles que exercem atividade remunerada por conta própria e atuam nas mais diversas atividades econômicas, seja para pessoas físicas ou jurídicas e, por lei, são obrigados a recolher as contribuições previdenciárias. A outra modalidade de contribuinte, são os facultativos, sendo aqueles que são livres para pagar ou não contribuições para a previdência e, neste grupo, se incluem pessoas a partir dos 16 anos de idade, estudantes, donas de casa, desempregados, entre outros, que não exercem atividades remuneradas e não são filiados a um regime de próprio de previdência social (servidor público).
Via de regra, os benefícios de auxílio-doença, aposentadorias e pensões somente são concedidas pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) se a pessoa estiver contribuindo regularmente para a previdência social e, para quem contribui por carnês, se requer uma atenção maior no preenchimento das GPS para que seja lançado corretamente o número do Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS), o código de recolhimento, a alíquota da contribuição e a data do pagamento.
Neste momento, não se deve pegar o carnê de INSS do familiar, amigo ou vizinho e copiar as informações deles, pois cada contribuinte tem uma inscrição própria e pode haver diferenças nas alíquotas, por exemplo, a depender da aposentadoria que pretende receber. Poucos sabem, mas os bancos e lotéricas não têm condições de conferir se estão corretas todas as informações que foram lançadas na GPS e isso tem gerado dor de cabeça em muita gente que, ao pedir um benefício no INSS, descobre que fez contribuições em códigos e alíquotas erradas ou, ainda, em número do CNIS de outra pessoa.
Antes de se iniciar contribuições previdenciárias na modalidade de contribuinte individual ou facultativo, é importante buscar a orientação de um profissional da área previdenciária para fazer o planejamento da aposentadoria a que se pretende receber e, a partir daí, fazer o lançamento correto das informações na GPS, programando o recebimento do benefício mais vantajoso e prevenindo surpresas, tais como negativas do INSS que, no momento do pedido da aposentadoria, constatará irregularidades nem sempre possíveis de serem sanadas.

Por Carlos Alberto Calgaro
Advogado: OAB/SC 12.375

 

Veja Também

Confira as matérias que foram destaque